Lemnisco lateral e colículo inferior

As projeções ascendentes dos núcleos cocleares dorsal (dos neurónios piramidais e gigantes) e ventral (dos neurónios "octopus" e alguns estrelados) e do complexo olivar superior circulam pelo fascículo do lemnisco lateral. Alcançam os neurónios dos núcleos localizados no lemnisco e no colículo inferior, dois núcleos da porção superior do tronco cerebral implicados no processamento do sinal auditivo.

O NÚCLEO DO LEMNISCO LATERAL (LL)

Este núcleo é constituido por vários grupos de neurónios dispostos entre as fibras ascendentes do lemnisco lateral. Divide-se em duas regiões:

  • a) O complexo ventral, constituido por neurónios monoaurais, que só recebem informação do núcleo coclear ventral do mesmo lado, e que não apresentam uma distribuição tonotópica precisa. Este núcleo está implicado na análise da duração dos sons complexo, o que é muito importante na linguagem.
  • b) O núcleo dorsal, composto por neurónios binaurais, que recebem informação procedente de ambos os ouvidos, não só devido ao intercâmbio de informação que se produz a nível dos complexos olivares, mas também, e sobretudo, pelas fibras que cruzam a linha média na decussação (comissura) dos lemniscos.

O COLÍCULO INFERIOR (CI)

O colículo inferior (CI) está situado tecto do mesencéfalo. É constituido duas partes:

  • - O córtex dorsolateral (Fig. 1 A em cinzento) organizado em camadas de neurónios sem distribuição tonotópica precisa. Pensa-se que estará implicado na análise da informação auditiva (linguagem) e na identificação de sons novos.
  • - um núcleo central formado por um importante grupo de neurónios organizados tonotópicamente. Recebe fibras desde os núcleos cocleares, complexo olivar superior e núcleo do lemnisco lateral. A sua estrutura é lâminar, tipo "casca de cebola" (Fig. B, lâminas a cores). A distribuição das frequências neste núcleo é muito peculiar, já que recebe a informação das frequências graves do ouvido ipsilateral e das agudas do contralateral. Também troca informação com o seu homólogo contralateral através da comissura (decussação) do CI (Fig. 1, ver x2). Este núcleo participa na análise frequencial do som, mas também nas diferenças interaurais de intensidade e tempo.

Os neurónios do CI participam na localização da fonte sonora segundo os planos horizontal e vertical. A sua atividade encontra-se controlada por fibras descendentes do córtex e do tálamo (corpo geniculado medial).

colliculus

P. Gil-Loyzaga

Organização tonotópica

A organização tonotópica que se encontrou no Complexo Olivar Superior continua nos núcleos superiores da via auditiva.

As projeções ascendentes do complexo olivar passam pelo lemnisco lateral (C) e chegam ao colículo inferior (A e B). As fibras que levam as frequências graves (fascículos vermelhos e nº. 3) circulam pela parte lateral do lemnisco lateral (do mesmo lado) e chegam à zona lateral do colículo inferior. As fibras que transportam as frequências agudas (fascículos azuis e nº. 1) cruzam a linha média (decussam) a nível do complexo olivar superior e ascendem pelo lado medial do  lemnisco lateral contralateral, até alcançarem a região medial do colículo inferior. Na base: gradação de frequências sonoras representadas pelas bandas de cores.

Última atualização: 2016/12/09 9:20